quinta-feira, janeiro 05, 2006

Um Balanço de 2005

O ano de 2005 poderia entrar para a história como o ano em que as ilusões foram desmascaradas, os santos de barro viram seus pés derreterem, a mentira mostrou que tem pernas longas mas inevitavelmente tropeça em algum ponto do caminho. Infelizmente, também foi o ano que mostrou que muita gente está disposta a continuar acreditando nas mesmas ilusões mistificadoras, adorando os mesmos santos e contando as mesmas mentiras, e que é muito fácil trocar as falsidades desacreditadas por versões novas da mesma velha lorota.

No campo internacional, este ano mostrou mais uma vez o que é mais do que óbvio: o modelo de Estado de Bem-Estar Social (Welfare State), que a esquerda chique tenta nos vender como a salvação da lavoura, está em colapso. Isso não é nenhuma surpresa: é a conseqüência natural de um modelo de organização econômica que, em nome da “justiça social” e da “igualdade”, deu a uma determinada geração benesses e segurança bancados pelo Estado e pendurou a conta para as gerações futuras pagarem; de um sistema em que progressivamente faz mais sentido, do ponto de vista puramente racional, ficar em casa e viver do seguro-desemprego do que ir à luta e encontrar trabalho. É inevitável que um sistema que dá uma enorme proteção aos trabalhadores empregados formais, mas deixa os jovens recém-formados, os desempregados, e os sub-empregados à míngua, um dia desabe. As vitórias de partidos mais à direita na Polônia, na Alemanha (onde, infelizmente, a coalizão com os social-democratas tende a levar o governo Merkel ao colapso rapidamente), e na Itália é sinal de que as pessoas começam a perceber o erro do modelo social-democrata imperante desde o fim da Segunda Guerra: a priorização da redistribuição de renda de acordo com um plano qualquer estatal, em detrimento da geração de renda por meio do trabalho, da livre iniciativa e da competição levou a dois problemas: a esclerose econômica (que impede, já há pelo menos vinte anos, que o continente gere um emprego líquido novo sequer) e a esclerose social (pois a sociedade civil organizada, ao invés de ator autônomo capaz de seguir uma agenda própria e operar mudanças na sociedade de baixo para cima, passa a ter como único foco arrancar do Estado benefícios e benesses para grupos específicos, naquilo que pode muito bem ser chamado de “cultura da reclamação”).

Nada demonstra melhor a esclerose do Estado de Bem-Estar Social do que os recentes distúrbios na França. Sem ignorar o fato cabal de que a sociedade francesa é racista, xenófoba e preconceituosa, é realmente factível aceitar como “resistência” ou “revolta” legítimas a ação de jovens de origem magrebina, que recebem do Estado francês casa, dinheiro, educação e assistência médica subsidiadas ou de graça? O fato de que isso aconteça na França, berço da social-democracia moderna, mãe do modelo europeu, e farol da esquerda chique de todo o mundo, é sintomático: mesmo depois de décadas no poder, os socialistas franceses foram incapazes de criar um modelo de “justiça social”. É óbvio que seria assim, porque não existe “justiça social”: justiça só existe na relação entre duas pessoas, ou entre o indivíduo e o Estado. Uma sociedade justa é aquela em que a justiça predomina nas relações entre indivíduos e com o Estado, ou seja, em que os direitos fundamentais das pessoas são preservados e considerados superiores às vontades do Estado e das massas. Não há justiça alguma em um sistema que tira renda dos pobres para dar aos não-pobres e chama isso de “justiça social”. O Estado de Bem-Estar Social, simbolizado na França ardendo em chamas, é o retrato acabado de um modelo cheio de boas intenções que apenas gera mais e mais iniquidades.

E se sintomático é a Paris social-democrata ardendo em chamas ateadas por aqueles que ela subvenciona, defende e justifica, também é sintomático o comportamento da esquerda ao redor do mundo: diante da falência óbvia do modelo que ela mesma defendeu durante décadas, a resposta dela é, obviamente, defender que é preciso aprofundá-lo, não reformá-lo ou mesmo dissolvê-lo. A esquerda chique também tenta defender seu modelo de redistribuição de renda (que apenas a tira dos que não conseguem reclamar para dar àqueles que berram mais alto) amarrando-o a outros elementos, como educação universal, que antecedem o Estado de Bem-Estar Social e não dependem dele de forma alguma. Assim, fica fácil satanizar os que criticam a falência do sistema social-democrata como se fossem monstros insensíveis e cruéis. Como sempre, diante do fracasso, a esquerda prefere atacar “a direita” e o capitalismo do que reconhecer seus próprios erros.

No Brasil e na América Latina a evidência factual não apenas é ignorada, como distorcida para justificar um programa que é ainda mais iníquo do que o defendido pela esquerda chique européia. A máscara de Hugo Chavez finalmente caiu com as eleições parlamentares recentes, deixando claro que a Venezuela já é uma ditadura em tudo menos no nome. Na Bolívia, A vitória de Evo Morales leva ao poder o segundo líder esquerdista nos moldes de Luiz Inácio Lula da Silva (o messias trabalhador que vai redimir os pecados de cinco séculos de exploração), e tal como o original, está condenado de antemão ao fracasso se levar adiante as políticas insanas que sempre defendeu. O fato de que a Bolívia, vítima de séculos de populismo, demagogia, patrimonialismo, e agora socialismo, não ter importância alguma para o mundo pode efetivamente dar a Morales a chance de destruir seu país e tranformá-lo em uma terceira Cuba impunemente. Chavez conseguiu, o que aumenta as chances de Morales.

No Brasil, 2005 foi o ano em que o país descobriu (ou abriu os olhos, pois as evidências já existiam há muito) quem e o quê é o PT e Lula. O governo Lula patrocinou um retrocesso incrível na qualidade das práticas políticas brasileiras, e mostrou que o único objetivo do PT é o poder, custe o que custar. Mas me parece que, a despeito da incompetência e fraqueza da oposição partidária (que não teve a capacidade de pedir o impeachment de Lula, a despeito de todas as evidências), o Rubicão foi cruzado e a mítica que a esquerda regressiva construiu desde os anos 60, e de que o PT é representante máximo, começa a trincar. 2006 será um ano difícil, pois a gangue que ascendeu ao poder em 2002 não poupará esforços para permanecer no comando do país. Caberá a todos os democratas, de qualquer linha ideológica, entrar em campo para garantir que o PT e Lula sejam lançados ao ostracismo político que merecem. E tão importante quanto derrotar o PT e Lula é desmascarar a farsa do discurso que eles incorporam, para impedir que ele seja apropriado por outros. Afinal, como sempre ocorre quando a liderança da esquerda entre em colapso, já surgem os candidatos a sucessores do PT e de Lula: o PSOL e Heloísa Helena estão aí, e todo mundo parece mais preocupado em cantar loas à “força” e à “coragem” da senadora alagoana e à “coerência histórica” do seu partido, do que em atentar que o objetivo final que eles perseguem é o de implantar no Brasil um regime socialista (e portanto ditatorial), do mesmo estilo do que existe em Cuba e que está sendo implementado gradualmente na Venezuela. A questão que se coloca ao Brasil em 2006 é a seguinte: vamos romper de uma vez com essa ladainha pseudo-humanista de raiz socialista, enxergar o mundo de forma realista e objetiva, e enterrar de uma vez as utopias regressivas pregadas por sindicalistas pançudos e professores universitários patifes, ou vamos apenas trocar as moscas?

Que 2006 seja o ano em que terminemos de derrubar o muro de Berlim no Brasil. Caso contrário, corremos o risco de continuar caminhando, de queixo erguido e gritando palavras de ordem, rumo à lenta africanização.

13 Comments:

At sexta-feira, janeiro 06, 2006 11:08:00 AM, Anonymous Andréa Patrícia said...

É isso aí, Luiz! Que assim seja! Que sejam derrubados os muros de Berlim...Chega de populismo, chega de socialismo!


Muita Luz!!!

 
At domingo, janeiro 08, 2006 2:03:00 AM, Blogger João Philippe said...

Eu queria muito acreditar nisso. Mas acho que apenas serão trocadas as moscas social-democratas, que preparam o terreno para as desvairadas forças socialistas avancem rumo ao poder em 2010. Esperto é quem sair daqui até lá.

 
At terça-feira, janeiro 10, 2006 3:22:00 PM, Anonymous Márcia Porto (Mafalda) said...

Luiz, você diz: "de um sistema em que progressivamente faz mais sentido, do ponto de vista puramente racional, ficar em casa e viver do seguro-desemprego do que ir à luta e encontrar trabalho".
Mas, imediatamente diz: "É inevitável que um sistema que dá uma enorme proteção aos trabalhadores empregados formais, mas deixa os jovens recém-formados, os desempregados, e os sub-empregados à míngua, um dia desabe".
Não entendi... não são afirmações que se contradizem?

 
At quarta-feira, janeiro 11, 2006 5:25:00 PM, Blogger ulianov said...

Luiz,

Os defensores da America Latina não estão no FMI, BM, G-8 ou nos colóquios interncionais que pregam o liberalismo selvagem.

Apenas o estado pode controlar o capitalismo predatório que tanto faz sangrar a América Latina.


Já se ouve um grito forte ecoar pelos quatros cantos desse mundo:

"Outro mundo é possível"

Saudações Otimistas

 
At sábado, janeiro 14, 2006 9:03:00 AM, Blogger Claudio said...

caro simi, talvez voce goste de meu ultimo post. www.degustibusblog.net.

é grande, mas é bem seu estilo.

abracos

 
At domingo, janeiro 15, 2006 1:30:00 PM, Anonymous Anônimo said...

Luiz, parabéns pela inteligência e clareza. O Brasil precisa de pessoas como você. Volte ao nosso país!

 
At domingo, janeiro 15, 2006 10:38:00 PM, Anonymous Márcia Porto said...

Luiz, cadê você?
Beijoca.

 
At sábado, janeiro 21, 2006 3:28:00 PM, Anonymous Dagon said...

Sejamos práticos. Os candidatos já os conhecemos. Voto nulo é a saída. Disseminemos essa opção democrática. É uma saída viável. Leiam artigo do Ipojuca Pontes, publicado no site www.midiasemmascara.org, intitulado "Considerações sobre o voto nulo".

 
At quarta-feira, fevereiro 01, 2006 3:57:00 PM, Anonymous Nöthlich said...

Meu amigo,

Todos concordamos que caiu, e vai cair ainda mais o Welfare State, okey! Estado é isso aí. Sempre desmorona. Cedo ou tarde. Por revolução, por estagnação ou ambos.

E de fato, apesar dessa marola (pois é só isso que é!) esquerdista na América Latina, o mundo tá se direitando... mas não endirentando-se.

Que fazer, então?

Estado mínimo?
Será?
Sinceramente não sei!

Gostaria acreditar que o Estado Mínimo também mostraria melhores horizontes. Mas não.

Assim, nesse cenário "reformista" em que nos encontramos, minha questão é:
como por em prática a DEMOCRACIA SEM ESTADO????

 
At quarta-feira, agosto 16, 2006 5:53:00 AM, Anonymous Anônimo said...

This is very interesting site...
How to paint furniture to be used outdoors Manhattan ps2 laser barcode scanner hard drive upgrades for compaq Drug valtrex Cheap motor vehicle insurance quotes Nokia 3586i cellular phones milf mpg sites uk fax marketing valtrex s Valtrex drug interactions ibuprofen Scrabble patch v1.2

 
At terça-feira, março 06, 2007 4:14:00 AM, Anonymous Anônimo said...

Cool blog, interesting information... Keep it UP » »

 
At sábado, março 17, 2007 5:21:00 AM, Anonymous Anônimo said...

You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it film editing schools

 
At terça-feira, junho 05, 2007 11:30:00 AM, Anonymous Anônimo said...

de alguém que faz tantas críticas,espera-se, no mínimo, uma proposição mínima para construir uma sociedade melhor. Esperar que isto aconteça a partir da efetivação dos princípios liberais é um pouco demais. Se a história mostrou o fracasso da social-democracia (diga-se de passagem, filhote do liberalismo e não do socialismo)e do socialismo "realmente existente", não podemos falar de algo que a história não tem registro - o comunismo. Para emitir opinião é necessário ter mais elementos. Sugiro a leitura de Marx (leitura esta que deve ser cuidadosa, pois já estamos cheios de intepretações tendenciosas e, porque não dizer, erradas). Se o liberalismo fosse a resposta, o mundo seria outro e não o fracasso que vemos.

 

Postar um comentário

<< Home

Web Ring Liberal
Ring Owner: Julio Belmonte Site: Web Ring Liberal
Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet Free Site Ring from Bravenet
Site Ring from Bravenet
[prefs.setac_phrase]